Compensação Pelo Signo Do Zodíaco
Substabilidade C Celebridades

Descubra A Compatibilidade Por Signo Do Zodíaco

Artigo

15 fatos sobre a Ilha dos Golfinhos Azuis

limite máximo da tabela de classificação '>

O autor americano Scott O'Dell escreveu 26 romances infantis ao longo de sua carreira, mas o mais popular, de longe, éIlha dos Golfinhos Azuis. A assombrosa - e às vezes angustiante - história seguiu as aventuras de uma garota nativa americana forçada a sobreviver sozinha em uma ilha esquecida, onde ela domesticou cães selvagens e desafiou as probabilidades. Mas, por mais amado que seja este livro, poucos sabem a incrível história verdadeira que está logo abaixo da prosa sutil, mas pensativa, de O'Dell.

1. O'DELL TOMOU UM LONGO CAMINHO PARA ESCREVER NOVEIS PARA CRIANÇAS.

O'Dell começou na indústria cinematográfica em expansão. Antes de servir na Força Aérea dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial, ele conseguiu empregos como cinegrafista e diretor técnico, posteriormente fazendo a transição para trabalhar naEspelho de los angelescomo colunista de livros, então oLos Angeles Daily Newscomo editora de livros. Embora ele tivesse começado a escrever artigos e romances para adultos em seus trinta e poucos anos, não foi até os sessenta anos que O'Dell encontrou sua vocação como romancista infantil. Em 1972, suas obras incríveis, incluindoIlha dos Golfinhos Azuis,A Pérola NegraeCante oMoon - rendeu a ele o Prêmio Hans Christian Andersen, a maior honra oferecida aos criadores de livros infantis.

dois.ILHA DOS GOLFINHOS AZUISFOI BASEADO EM UMA HISTÓRIA VERDADEIRA.

Embora publicado em 1960, a inspiração do romance veio de mais de 100 anos antes. Ao largo da costa da Califórnia fica a Ilha de San Nicolas, onde a tribo Nicoleño prosperou. Em 1814, um massacre brutal nas mãos de caçadores de lontras nativas do Alasca prejudicou gravemente o número da tribo. Em 1835, os missionários intervieram, exortando o último dos Nicoleño a deixar sua pequena ilha em favor do continente mais hospitaleiro. Mas uma jovem - que viria a se chamar Juana Maria - literalmente perdeu o barco. Ela passou 18 anos na ilha sozinha, e seria lembrada como a Mulher Solitária da Ilha de San Nicolas. A versão de O'Dell desta história deixou os missionários de fora, mas manteve a matança por caçadores e o abandono da ilha pela tribo.


justvps

3. UM DETALHE CHAVE DA MULHER SOLITÁRIA FOI PERDIDO PARA A HISTÓRIA.

Ninguém sabe o nome verdadeiro da Mulher Solitária da Ilha de San Nicolas. 'Juana Maria' é como os missionários a batizaram quando ela veio para a missão aos 40 anos. Com o nome real perdido, O'Dell optou por chamá-la de doppelgänger fictícia de Karana.

4. O'DELL INCLUIU UM DETALHE POPULAR, MAS NÃO VERIFICADO, DO CONTO DA MULHER SOLITÁRIA.

Por que Juana Maria não se juntou ao seu povo nos barcos? A teoria mais popular é que elafez, mas quando o navio foi para o mar, ela percebeu que uma criança (geralmente seu filho) havia ficado para trás. Então, ela mergulhou dramaticamente no mar para voltar e cuidar dele. Mas o arqueólogo da Marinha Steven Schwartz acredita que esta não é a melhor explicação, tanto quanto a melhor história. 'A história de seu salto ao mar não aparece até a década de 1880 (quase 50 anos após o evento)', diz ele. 'A essa altura, a era vitoriana já está adiantada e a literatura adquire um sabor floral e até romântico.'

Ainda assim, a história atraiu O'Dell. DentroIlha dos Golfinhos Azuis, Karana segue os passos míticos (ou braçadas) de Juana Maria, mergulhando no mar e voltando para a praia quando percebe que seu irmão mais novo perdeu o barco.

5. KARANA ERA MUITO MAIS JOVEM DO QUE SUA INSPIRAÇÃO DE VIDA REAL

Acredita-se que Juana Maria tivesse cerca de 24 anos quando ficou presa na Ilha de San Nicolas. (Sua idade exata não pode ser determinada, porque sua data de nascimento é desconhecida.) Para aumentar as apostas e tornar a história mais atraente para as crianças que visava entreter, O'Dell fez da heroína de seu romance um tenaz 12 anos velha garota.

6. O'DELL NÃO PESQUISAU MUITO SOBRE O NICOLEÑO.

Por causa da maneira como a tribo foi morta e depois dispersada na Califórnia, a cultura Nicoleño foi em grande parte perdida. Então, o O'Dell de 60 e poucos anos olhou para as lendas e costumes de outras tribos das Ilhas do Canal, em seguida, descreveu cuidadosamente ferramentas como as cestas forradas de piche usadas para transportar água. Mas, como Slate observou em uma resenha do romance 2016 Complete Reader Edition, 'Outros detalhes, como o uso de dois nomes pelos ilhéus - um público para estranhos e um verdadeiro para íntimos de confiança - ele simplesmente inventou'.

7. A EDIÇÃO COMPLETA DO LEITOR INCLUI NOVAS PÁGINAS.

Editado pela professora associada de Inglês da Universidade da Carolina do Sul Sara L. Schwebel, esta versão do romance de O'Dell apresenta dois capítulos previamente extirpados que nunca haviam sido publicados, bem como 'uma introdução crítica e ensaios que oferecem novos antecedentes sobre as histórias arqueológicas, jurídicas e coloniais dos povos nativos da Califórnia. ' Esses elementos visam agregar um maior contexto e ferramentas de discussão para leitores modernos.

8ILHA DOS GOLFINHOS AZUISFOI ADAPTADO PARA UM FILME

O filme dirigido por James B. Clark estreou em 3 de julho de 1964, com poucos elogios.O jornal New York TimesHoward Thompson o descreveu como 'um pouco fino e açucarado', acrescentando, '(Ilha dos Golfinhos Azuis)é tão descomplicado e monótono quanto pode ser - e tão bonito de se olhar. ' No entanto, a ingênua Celia Kaye ganhou um Globo de Ouro de Revelação Mais Promissora (Mulher), enquanto o filme foi homenageado comRevista BoxofficePrêmio de Melhor Filme do Mês para a Família Inteira.

9. SCOTT O'DELL OFERECEU UMILHA DOS GOLFINHOS AZUISSEQUEL 16 ANOS DEPOIS.

Tiasegue a heroína titular, a sobrinha de Karana, de 14 anos, enquanto ela parte em uma jornada marítima para encontrar sua tia perdida. Depois de muitas provações e tribulações, Zia se reúne com Karana, mas sua alegria dura pouco. Após o seu lançamento em 1976, o Publisher's Weekly chamou o romance infantil de 'Bound para estar entre os melhores livros do ano.'

10TIATAMBÉM PUXADO DA VIDA REAL.

O'Dell criou o personagem Zia por completo. Mas no livro, a garota descobre a prova de que Karana ainda pode viver ali, que ela encontra pegadas na areia, os restos de uma fogueira e uma pequena cabana. Na vida real, o homem das montanhas / explorador / caçador de lontras George Nidever liderou três expedições a San Nicholas, originalmente para buscar ovos de gaivota. Na primeira expedição, ele encontrou uma pegada que havia sido deixada muito tempo antes ao lado de evidências mais recentes de desidratação da gordura de foca. Em uma segunda viagem, eles encontraram mais evidências de ocupação recente e, na terceira viagem, ele encontrou a Mulher Solitária. Outro verdadeiro detalhe escolhido paraTiaera que ninguém conseguia realmente se comunicar com Juana Maria, sua linguagem se transformando em algo único e desconhecido para os continentais. Além disso, assim como na vida real, 'Capitão Nidever' traz a mulher da tribo perdida para o continente e depois para a Missão Santa Bárbara.

11. A CAVERNA DA MULHER SOLITÁRIA FOI DESCOBERTA.

Hoje, San Nicolas é predominantemente uma estação de aviação naval, onde o arqueólogo Schwartz tem procurado com dedicação as evidências da vida da Mulher Solitária. Ele vasculhou suas praias e penhascos de arenito, perfurando buracos exploratórios e consultando mapas antigos na esperança de descobrir artefatos. Finalmente, em 2012, ele encontrou uma caverna com 25 metros de comprimento e 3 metros de altura e exigiu 40.000 baldes de areia para desenterrar. Ele tem '90 por cento de certeza' de que é aqui que Juana Maria teria passado a maior parte do tempo.

12. OUTRAS DESCOBERTAS NA ILHA REAL DOS GOLFINHOS AZUIS FALHARAM A CONTROVÉRSIA.

Outra equipe encontrou caixas de sequóia contendo 200 lâminas de pedra, pontas de arpão e anzóis de osso. Mas quando a Marinha anunciou planos de realocar esses artefatos de San Nicolas para a Estação de Armas Aéreas Navais em China Lake, Califórnia, arqueólogos e líderes nativos americanos se uniram, criando uma petição para detê-los. A principal preocupação é que a mudança possa danificar esses preciosos artefatos entre os riscos da viagem e um clima mais seco que pode torná-los quebradiços. Mas a resposta da Marinha foi essencialmente que os objetos receberiam o maior cuidado e consideração.

13. NA VIDA REAL E NA FICÇÃO, A MULHER SOLITÁRIA MORRE POUCO APÓS A DESCOBERTA.

DentroTia, Karana falece pacificamente logo depois que sua sobrinha a encontra. Na vida real, Maria foi bem-vinda na missão de Santa Bárbara, onde divertiu os moradores, cantando e dançando. Mas com apenas sete semanas de permanência, Maria faleceu. Ela foi enterrada no cemitério da missão, dentro do terreno da família Nidever. Em 1928, as Filhas da Revolução Americana lembraram-se dela com uma placa comemorativa colocada em seu túmulo.

fatos sobre a rena do nariz vermelho Rudolph

14. SCOTT O'DELL ASSEGURO SEU LEGADO COM UM PRÊMIO ESPECIAL.

Em 1982 - sete anos antes de sua morte - o autor criou sua própria homenagem literária: o Prêmio Scott O'Dell de Ficção Histórica. Concedido a livros infantis e jovens adultos com foco na história, o prêmio foi a maneira de O'Dell de incentivar outros escritores a criarIlha do Golfinho Azullivros próprios. Sua esperança era que tais explorações envolventes envolveriam as crianças americanas na história. Os vencedores incluíram a era de depressão de Jennifer L. HolmCheio de feijões, Autobiográfico de Jack GantosBeco sem saída em Norvelte o set de Oakland de 1968 de Rita Williams-GarciaUm verão louco.

quinze.ILHA DOS GOLFINHOS AZUISMANTENHO A POPULARIDADE HÁ MAIS DE 57 ANOS.

No ano de seu lançamento, o romance de O'Dell foi celebrado com a Medalha Newbery, concedida à 'mais distinta contribuição à literatura infantil americana'. Desde então,Ilha dos Golfinhos Azuisacabou em inúmeras listas de leitura para atribuições escolares. Mesmo enquanto a conversa evolui em torno do que significa ter um homem branco reconstruindo - ou totalmente re-imaginar - a vida e a cultura de uma tribo indígena perdida, o livro ocupa um lugar sagrado na ficção histórica infantil e nos corações de muitos escritores e leitores. MaisIlha dos Golfinhos Azuisostenta mais de 6,5 milhões de cópias impressas e é considerado um dos romances mais populares do século XX.